Blog

Fique por dentro das novidades que acontecem no
mundo dos vinhos e destilados!

Cruzamento entre Uvas: Arinarnoa
20 de setembro de 2019

Cruzamento entre Uvas: Arinarnoa

Conteúdo Técnico

Assim como a Marselan do nosso post anterior sobre Cruzamentos entre Uvas, a Arinarnoa também é uma casta tinta que está na lista das novas possíveis queridinhas de Bordeaux. Se as uvas que estão na lista forem aprovadas, os cultivos poderão iniciar em 2020/2021, constituir até 10% do blend final, mas só poderão ocupar 5% da área do produtor, de acordo com o Le Syndicat Viticole des AOC Bordeaux & Bordeaux Supérieur. A Arinarnoa, nosso assunto de hoje, nasceu  durante as alquimias de Pierre Marcel Durquéty (criador também da uva Egiodola, que se destaca no Brasil com a vinícola Pizzato), no ano de 1956 no INRA (Institut National de la Recherche Agronomique), em Bordeaux, na França. Durante muito tempo achava-se que o cruzamento que originou a Arinarnoa era entre a Merlot e a Petit Verdot, porém testes de DNA rechaçaram essa teoria e confirmaram que, na realidade, os pais verdadeiros são as uvas Tannat e Cabernet Sauvignon, o que nos leva a concluir que ela é neta da Cabernet Franc e da Sauvignon Blanc. Em 1980, a variedade foi oficialmente aprovada para ser utilizada nas vinificações. A França é o principal produtor, no sul do país e norte de Cognac (não, não se produz apenas conhaques na região). Saindo da França, hectares de vinhas plantadas dessa casta também são vistos na Espanha, no Uruguai e no Brasil. Alguns destaques são a Argentina, com a Família Zuccardi em uma produção muito pequena, também de origem argentina tem a vinícola Santa Julia que produz varietais não tradicionais, na linha Innovación, sendo uma delas a Arinarnoa. No Líbano, o famoso Château Ksara, que inclusive também é associado ao WSET para promoção da educação etílica, elabora um blend com essa uva. Por brotar tardiamente, é uma ótima casta para evitar estragos em anos que ocorrem geadas de primavera. Os cachos costumam ser abertos, que é uma vantagem para evitar acúmulo de umidade e, consequentemente, doenças fúngicas. As uvas têm cascas grossas que concentram compostos fenólicos e de cor, então os vinhos costumeiramente são estruturados, possuem taninos firmes, com cor profunda, e há possibilidades de encontrar nuances herbáceas, o que também é de se esperar ao analisar os parentais.

+
masterclass outubro rose enocultura 570x270 - Masterclass Outubro Rosé Eno Cultura
25 de outubro de 2017

Masterclass Outubro Rosé Eno Cultura

Gostaríamos de agradecer a todos que puderam contribuir e participar da masterclass beneficente Outubro Rosé, assim como todos os nossos parceiros, que tornaram esse projeto realidade. Além de ajudar a causa do câncer de Mama, os participantes tiveram o prazer de degustar uma seleção especial de vinhos rosés premium, preparada especialmente para o evento. Todo […]

continuar lendo
+
Umami enocultura 486x270 - Umami
4 de outubro de 2017

Umami

Você sabe o que é o Umami? Umami é o nome dado ao quinto sabor básico, descoberto pelo pesquisador japonês Kikunae Ikeda no ano de 1908. A origem da palavra umami é japonesa e significa “delicioso e apetitoso”. Ele complementa os outros quatro gostos básicos do paladar humano: amargo, doce, azedo, salgado. Do que o […]

continuar lendo
Assine nossa newsletter e fique por dentro das nossas novidades

Eno Cultura - Todos os direitos reservados © 2018